Quero criar um negócio mas não sei por onde começar – e tenho medo de arriscar

Se já pensaste por mais do que uma vez “Não tirei um curso de gestão, mas gostava de lançar o meu negócio” ou “Percebo pouco de negócios, mas adorava tirar o meu projeto da gaveta”, então este artigo é para ti.
Leia este artigo em: 5 mins
04.07.2022

Diria que, empiricamente, todos acreditamos que para sermos bem-sucedidos(as) ao lançar um negócio, temos de pensar numa estratégia. E conceber uma boa estratégia para atingir resultados não parece ser tarefa fácil. Além de precisares de perceber alguns conceitos de gestão, de marketing, de finanças, hoje em dia é preciso ter uma capacidade tecnológica que pode não estar ao alcance de todos.

É preciso tratar bases de dados por “tu”, conhecer plataformas de email marketing, saber produzir conteúdo para divulgar nas redes sociais, etc, etc. E, em cima disto, conseguir ter empatia com o público-alvo, ser criativo, ter paixão…

Se ficaste cansado(a) com esta descrição, respira fundo, ganha fôlego porque… o caminho não é assim tão complexo como parece.

“Mas por onde devo começar?”, perguntas tu.

Começa por tirar partido dos teus pontos fortes!

Todos nós somos bons a fazer determinadas coisas, pelo que saber utilizar essas habilidades é fundamental para o sucesso. Se queres lançar o teu negócio, numa determinada área, é porque sabes que tens um talento natural, um gosto particular, uma apetência inata. E é nisso que tens de te focar porque essa vai ser uma das tuas vantagens competitivas. O sucesso do teu negócio parte muito de ti! Muitas vezes queremos desenvolver habilidades ou conhecimentos que não são inatos, e acabamos por subestimar aquilo que fazemos com maior facilidade. Respeita a tua natureza e os teus talentos e responde à seguinte pergunta: “Qual vai ser a tua principal contribuição para o teu projeto?”

Depois de teres dado resposta a esta pergunta, aposta na definição de um modelo de negócio. O empreendedorismo só deve ser visto como uma forma de realizar sonhos e mudar de vida, se for acompanhado de um bom modelo de negócio, que atalhe caminho e minimize os riscos. Deves pensar em:

  1. Cliente: Falar de Clientes é falar daqueles a quem vais prestar serviço ou vender produto, resolvendo os seus problemas ou satisfazendo as suas necessidades (as que têm, ou que ainda não sabem que têm…). É falar das suas caraterísticas, da sua jornada, saber quais são os momentos da verdade, definir que tipo de relação queres manter com os teus clientes e que nível de serviço lhes queres prestar. Diria que sem saberes bem a quem te diriges, corres o risco de não chegares exatamente ao teu cliente ideal.
  2. Oferta: Falar de Oferta é falar do valor que vais proporcionar aos teus clientes através de pacotes de serviços ou produtos. Ofereces conveniência, preço, design, facilidade, eficiência, estatuto…? É decidir através de que canais vais chegar ao mercado, como vais comunicar a tua oferta, como vais distribuir os teus produtos/serviços e servir no pós-venda. A capacidade de proporcionar um valor excecional é a principal razão pela qual os teus clientes te vão escolher em vez de a outro.
  3. Infraestrutura: Falar de Infraestrutura é falar dos bens e das tarefas que são necessárias para poderes oferecer o que prometes e gerar o rendimento que pretendes. É saber que pode haver recursos humanos, físicos, intelectuais e financeiros, que são cruciais para a sobrevivência do teu negócio. É definir, claramente, que atividades tens de assegurar para que o teu negócio funcione e triunfe, e junto de que parceiros queres trabalhar para robustecer a tua oferta.
  4. Viabilidade Financeira: Falar de Viabilidade Financeira é falar da estratégia que irá permitir que a entrada de dinheiro seja superior à saída de dinheiro. É identificar as tuas fontes de rendimento e os custos que vais incorrer no âmbito da tua operação. Porque no final do dia, se queres viver do teu negócio, há que abrir o excel e fazer contas…

Existem várias frameworks que podes seguir e preencher, sendo que uma das mais utilizadas é a Business Model Canvas.

Chegando até aqui, foste adquirindo conceitos de gestão sem teres dado por isso.

Pronto(a) para o próximo passo? Está na hora de adquirires novos conhecimentos, na proporção que queres fazer crescer o teu negócio. É diferente teres uma loja física ou um canal digital. Não podemos comparar uma base de clientes de dezenas com uma de milhares. Uma oferta de serviços é distinta de uma produção de produtos, entre muitos outros desafios.

Uma prática comum para seres bem-sucedido(a) é investir em formação. Dedica parte do teu tempo a ler, pesquisar e aprender sobre temas que ampliem os teus horizontes. Ouve podcasts, assiste a TEDs, vai a eventos da área do teu negócio, estuda sobre algumas temáticas em relação às quais estás menos preparado(a). Consistência é chave para te levar onde queres chegar.

Sim, negócio e gestão até podem andar de mãos dadas, mas mesmo não sendo esta a tua área de formação, podes vingar garantindo que:

  • Tens o mindset certo: foca-te na tua jornada, vence as tuas resistências e crenças limitadoras, resiste ao julgamento de outros e ao teu próprio.
  • Adquires a virtude da paciência: começa com o básico e, com paciência, vais fazendo crescer o teu negócio. Dá-te tempo e espaço para aprender. Mais importante do que a velocidade, é a direção.
  • Tens uma mente de iniciante: a capacidade de ver o mundo e as necessidades dos clientes como quem não sabe nada sobre elas é uma grande vantagem para os negócios, pois estás a olhar para os temas sem vícios nem limitações. Steve Jobs, criador da Apple, era um grande defensor desta prática.
  • Constróis a tua coragem passo a passo: a coragem é uma qualidade que se desenvolve e vai sendo conquistada passo a passo. É o que acontece quando te desafias a levantar um peso de 80kg. Começas com um de 5kg e, se a cada dia fores tentando aumentar um pouco a carga, vais conseguir evoluir até ganhares músculo e atingires o resultado a que te propões.
  • Procuras ajuda para chegares ao sucesso: recorre a pessoas que façam o que tu não sabes fazer. O caminho do empreendedor pode ser longo, solitário e frustrante. Ter ajuda de pessoas que já possuem conhecimento de mercado e experiência é essencial para quem quer ser bem-sucedido(a). Ninguém sabe tudo e devemos ter a capacidade de reconhecer que se nos juntarmos a quem sabe, ficamos mais fortes. Recolher conselhos e orientações sobre os temas que menos dominas, pode ser a diferença entre fazer ou não o teu negócio ganhar asas.

Portanto… podes adiar ad eternum as tuas ideias, sonhos e projetos, sob pena de nunca verem a luz do dia, ou podes preparar caminho para lhes dares vida. Acredito que somos mais felizes se fizermos aquilo que gostamos e que nos sentimos mais realizados, se ao longo do dia os nossos olhos brilharem quando chegamos a casa com sensação de dever cumprido.

O truque está em saber combinar vontade + disciplina + humildade + foco para dares este salto, conseguires lançar o teu negócio e seres feliz a fazer aquilo que gostas verdadeiramente. Não estejas à espera do momento ideal e das melhores condições, porque podem nunca chegar. Cria tu esse momento. E se fosse hoje?

Inês Lima

Inês Lima passou a fase em que quis ser cabeleireira e educadora de infância, para chegar aos 18 anos e não ter qualquer dúvida sobre o curso que queria tirar: Gestão. Matérias como Estratégia, Marketing, Organização ou Finanças passaram a fazer parte da sua vida e têm-na acompanho ao longo dos 19 anos de carreira.

Começou como consultora na Deloitte, liderou várias áreas nas Páginas Amarelas, fez parte da equipa de arranque da Deloitte Digital e é subdiretora de Comunicação na EDP SA, desde 2017.

No final de 2020, percebeu que seria ainda mais feliz se pusesse os seus talentos ao serviço de pessoas que quisessem lançar os seus negócios e, em paralelo com a sua atividade profissional, começou a ser mentora de empreendedores e ajuda-os a passar as ideias do papel, para o Mundo.