Trabalhar para ganhar dinheiro ou trabalhar para gerar impacto?

Eu, Isabel Eu, Isabel
Leia este artigo em: 5 mins
05.05.2022

“Never start a business just to “make money”. Start a business to make a diference.”

Esta é uma das frases que mais sentido me faz e que nunca é esquecida, sobretudo nos momentos em que temos tendência a escutar mais os outros do que a nossa intuição.

É claro que o dinheiro é importante por tudo o que nos proporciona, mas não duvidem que um negócio só faz sentido se fizer a diferença na vida de alguém e se nos gerar entusiasmo. Se estas duas premissas estiverem em sintonia, o dinheiro acaba por aparecer. E aparece de uma forma consistente, crescente e natural.

 As ansiedades que podemos ter fruto da pressão que a sociedade nos coloca existem e vão sempre existir. A melhor forma que encontro para as combater é ter um plano a curto, médio e longo prazo do meu modelo de negócio, ter muito assente na minha cabeça a visão e o mudança que quero provocar, ter os valores éticos do projeto e dos colaboradores alinhados com os meus e nunca, mas mesmo nunca, deixar de sentir o entusiasmo e  alegria por aquilo que estou a fazer (mesmo tendo a certeza que os momentos de desalento fazem para da jornada).

E a esta última eu apelo sempre à minha intuição – é ela quem me guia e me dá as coordenadas do caminho.

Depois disto, sinto-me pronta para começar a batalha dos meus sonhos, com a certeza que o caminho mais acertado é, muitas vezes, o mais demorado. Mas está tudo certo. Quando os valores que enumerei acima estão consolidados, eu só tenho de aplicar a premissa: confia no processo.

Lembro-me que quando terminei a minha licenciatura e pós- graduação em Comunicação e comecei a estagiar numa produtora e que ainda não estava certa do que queria fazer. Sabia que o meu chakra da comunicação iria ser a minha principal ferramenta, mas ainda não sabia bem como iria usá-la e com que finalidade. A minha curiosidade e vontade de aprender abriu-me caminho e deu-me pistas para encontrar o meu lugar.

Trabalhar em televisão foi o meu grande projeto de vida e foi ali que descobri que a caixa mágica é uma ferramenta fabulosa para aquilo que a mensagem chegue mais além. Mas também me fez descobrir, como é importante saber criar conteúdos genuínos e emotivos para a mensagem entrar no coração das pessoas.

Na Televisão descobri que aquilo que eu quero fazer neste Mundo é criar conteúdos que, através do poder da minha voz, possam inspirar corações e levar os outros a “fazerem acontecer”.

Mas que tipo de conteúdos?

Essa descoberta quem ma deu foi tudo o que vivi e construí paralelamente à minha vida como repórter e apresentadora de televisão.  

Gosto entender o que contribui para o meu desenvolvimento pessoal. Fruto da minha educação (dos exemplos que sempre segui) e das minhas vivências percebi desde cedo que uma vida assente numa alimentação verdadeira e atividade física regular são pilares imprescindíveis à nossa alegria e bem-estar. E esta minha crença e prática regular levou-me para outros voos: tornei-me autora de livros de alimentação natural, corro maratonas por adorar alta performance e criei novas marcas e projetos em prol da saúde e bem estar:

Se tenho no sangue a veia de empreendedora? Sim.
Se o meu propósito é ser uma empresária e gestora de áreas de negócio? Não.

O que estou a aprender com todas estas experiências como empreendedora é que, muito mais importante do que o meu trabalho como apresentadora de televisão e mulher com alguns negócios, é o que está na génese de tudo isto que eu já construi: a minha enorme e eterna paixão pela comunicação.

O que eu amo e quero fazer, no momento presente, é usar aquilo que tenho e faço de melhor – produzir e comunicar conteúdos – para impactar os outros de uma forma positiva.

E eu sinto que é possível fazê-lo através da televisão, das minhas marcas, do meu trabalho como oradora e como influenciadora (pelo Bem) com outras marcas.

E através deste canal que é a DoBem.

O que é que tudo isto tem a ver com a criação de um negócio?

Para mim tem tudo.

A minha incansável e prazerosa descoberta pelo meu eu – quem é que eu sou e o que vim cá fazer – está a levar-me a bom porto, com todas a conquistas e aprendizagens que isso implica.

Escutar os outros, estudar, gerar networking e adquirir experiências são passos muito importantes para criarmos algo. Mas nada disto te fará sentido se o teu foco estiver fora de ti. No final do dia é preciso parar e voltar a centrar. E questionar:

Estou a SENTIR que estou no caminho certo?
As pessoas que me rodeiam estão a valorizar-me e a ensinar-me a ser melhor?
Os valores que acredito estão a ser implementados?
Mesmo com tantos desafios e erros que estou a cometer, eu SINTO que o caminho é por aqui?
No meio desta maratona profissional, estou a ter tempo para me cuidar?

Esta última pergunta é a mais importante. Sem auto-cuidado não existe coragem, nem força nem resiliência. É preciso colocar a nossa saúde (física, mental, emocional e espiritual) no TOPO para mantermos o discernimento e o positivismo nos momentos duros e solitários da vida de um empreendedor.

Sabem… a DoBem é o meu mais lindo projeto enquanto comunicadora e criadora de conteúdos. O que está à vista (e o que vem aí) é sem dúvida muito bonito. Mas não imaginam o tempo, dedicação, força e esperança que tive de ter para o bebe vir cá para fora.

Mas valeu. É de uma enorme satisfação ver que uma semente lançada pode dar frutos tão bonitos. Para o meu Bem. Para o Bem de todos.

Eu, Isabel

A Isabel nasceu a 8 de maio de 1986 e é natural de Santa Maria de Lamas. Licenciou-se em Ciências da Comunicação, pela Universidade Nova de Lisboa, e fez uma pós-graduação em Cinema e Televisão pela Universidade Católica. Fez um curso de Rádio e Televisão no Cenjor e foi o seu trabalho como jornalista e produtora de conteúdos na Panavídeo que a levou para a televisão, em 2011. Durante 10 anos apresentou programas de entretenimento e, de forma intuitiva e natural, percebeu que aquilo que a move é a criação de conteúdos que inspirem, motivem e levem os outros a agir. Tem uma paixão enorme por comunicar e tudo o que comunica está intimamente ligado a uma vida natural carregada de energia, alegria e simplicidade.

É autora dos livros “O Meu Plano do Bem”, “A Comida que me Faz Brilhar”, “Eu sei como ser Feliz” e da coleção de livros infantis “Vamos fazer o Bem”.

Descobriu a paixão pela corrida em 2015, em particular pela distância da Maratona – 42.195m. Tem o desejo de completar a “World Marathon Majors” que inclui as 6 maiores Maratonas do Mundo. Já correu Londres, Boston, Nova Iorque e Berlim.

Esta vontade de gerar um impacto positivo nos outros levou-a a criar novas áreas de negócio, como um ginásio de eletroestimulação – o Efit Isabel Silva – uma marca de snacks saudáveis e a VOA.

A 14 de Dezembro de 2016 lançou o blogue Iam Isabel e que hoje, numa versão mais madura, mas igualmente alegre e enérgica, é o canal DoBem.