I Am Isabel Silva

A tour dos IncríBeis está de volta, e o nosso primeiro treino não podia ter sido mais especial

A Isabel, o Álvaro, o Diogo e a cidade de Braga vão ficar, para sempre, no meu coração. Já tinha saudades de partilhar esta energia com este meu grupo de corrida. Vejam como foi a nossa manhã.

Finalmente vamos retomar um grande projeto do qual tenho muito orgulho e que muito me entusiasma: o projeto dos IncríBeis. Fomos todos apanhados na curva por causa da pandemia, tanto que, quando este projeto se iniciou, iniciou-se apenas com um treino.

Não sei se se recordam, mas esta Tour arrancou precisamente uma semana antes de termos entrado em estado de emergência por causa da pandemia. Longe estávamos nós de saber que este projeto ia ficar adiado. E assim foi. A tour arrancou em março de 2020, depois veio a pandemia, e ficou a marinar. até que, agora, que já estamos a desconfinar, ainda que em condições diferentes, podemos arrancar novamente com esta tour, que é um desejo muito meu, e da EDP também.

Basicamente, malta, este meu desejo era, e é, poder andar de norte a sul do País a correr junto de vocês em vez de estar a fazer os treinos dos IncríBeis uma vez por mês sempre na zona de Lisboa. O objetivo é muito simples: é não só ir correr para fora cá dentro e correr num ambiente diferente, absorver uma energia diferente, mas também aproveitar para conhecer as várias regiões do nosso País. Ao mesmo tempo, também é uma oportunidade de poder estar um pouco mais próxima de vocês. Ah, e claro que, com isto, vocês já não podem dar aquela desculpa de “ah eu não vou correr porque é longe”. Não, não é, malta, porque a Isabel Silva vai ter convosco.

Sou uma mulher do Norte e, como mulher do Norte, quero cumprir com o que prometo. E se eu disse que ia fazer uma tour dos IncríBeis, então a tour dos IncríBeis vai acontecer.

E está a acontecer agora, em 2021. Ao longo deste ano quero ir, pelo menos, a três cidades: Braga, Aveiro e Faro, e a tour arrancou, oficialmente, nesta manhã de domingo em que pude ir até à cidade de Braga.

E porque é que isto foi especial para mim? Porque é que isto muda um bocadinho o mindset em relação aos treinos que fazia na zona de Lisboa? É que o facto de eu ir a Braga, faz me pensar em duas coisas. Primeiro, que vou correr convosco, segundo, que esta é também uma oportunidade de conhecer um bocadinho da cidade ou, se já a conheço, poder matar saudades.

Portanto sinto um prazer redobrado em fazer esta tour. Dá-me a oportunidade de correr junto de pessoas que estão alinhadas com os meus valores, com a minha paixão pela corrida, mas que eu não conheço e isso, para mim, é da coisas que mais me entusiasma na vida. Por outro lado, tenho a possibilidade de correr noutra cidade. Não é à toa que eu gosto tanto de correr mas, sobretudo, de viajar para correr, e é isso que estamos a fazer. isto torna tudo muito mais especial.

Também devo confessar uma coisa. Se, por um lado, gosto muito daqueles treinos dos incríBeis em que às vezes estamos 30, 40 ou pessoas reunidas, porque isso é, realmente, incríBel, houve uma coisa que me agradou imenso neste treino, que foi o facto de, por causa da pandemia, só podermos selecionar três pessoas para virem correr connosco. Isso permitiu-me conhecer mais a fundo estas três pessoas e desfrutar da companhia, neste caso, da Isabel, do Álvaro e do Diogo.

Consegui perceber que a Isabel é uma mulher com uma garra imensa, que conhece todos os cantos do Parque da Rodovia, onde corremos. É uma mulher muito bonita que me confidenciou que participou neste passatempo porque já estava um pouco desmotivada com a corrida, e isto é quase como se fosse um gatilho de motivação. No final da corrida, ela disse: “já tenho aqui o boost de motivação de que precisava. agora já não vou parar.”

Depois, por outro lado, conheci um Álvaro que é triatleta, professor de ioga e que tem uma paixão gigante pelas corridas. Para ele, um ritmo confortável é 4’10 ao quilómetro, mas foi importante perceber a história de vida dele.

Depois também foi muito engraçado conhecer o nosso querido Diogo, que estava tão entusiasmado com o vir correr com os IncríBeis que tinha estado de urgência — ele é auxiliar num hospital — e veio de direta ter connosco para correr. Perguntei-lhe se não estava cansado, e ele responde “não, eu ainda estou cheio de adrenalina, agora faço aqui a corrida convosco, quando chegar a casa almoço e depois vou dormir e só acordo na terça-feira que é quando volto a trabalhar.”

O Diogo faz ultra maratonas e, ao longo destes 10 quilómetros, como fomos a correr a um ritmo mais confortável, deu para irmos a conversar e desfrutar da companhia uns dos outros. E é por isto que, quando fiz o passatempo, fiz o questionário e pedi que todos me dissessem os seus ritmos, para conseguirmos acompanhar os passos uns dos outros e irmos sempre lado a lado, a um ritmo confortável. O objetivo aqui não é correr mais, nem menos, mas sim desfrutar e partilhar, para que eu vos conheça e vocês a mim. E o facto de sermos poucos permitiu que esta fosse uma experiência muito enriquecedora.

Foi incríBel correr no Parque da Rodovia e pelas ruas da cidade de Braga e ver as pessoas que foram passando por nós a dizer “bom dia IncríBeis”. Durante o caminho, até encontrámos um senhor que trabalha na EDP e que soube do passatempo mas que não foi a tempo de participar e que se cruzou connosco nos últimos quilómetros. No final, até lhe demos uma T-Shirt.

Durante estes 10 quilómetros estivemos sempre à conversa. Isso permitiu-me conhecer melhor a Isabel, o Álvaro, o Diogo e também o Licínio. Foi ele que desenhou todo o trajeto dos 10 quilómetros em Braga, é um dos membros do grupo onde eu corro, os Run4Excellence.

E, claro, no final quisemos ir a um sítio emblemático da cidade de Braga, então fomos até ao Bom Jesus ver Braga por um canudo, e fomos mesmo. Estivemos ali no Escadório do Bom Jesus, demos uma volta e é incríBel perceber como o nosso Portugal é um paraíso.

Aconselho a todos, se forem correr a Braga — aliás, até vos desafio a fazê-lo — para, no final, irem até ao Bom Jesus, ou podem mesmo ir até lá a correr e subir o escadório para verem Braga por um canudo. Tem ali uma zona de esplanada onde até podem tomar um aperitivo e estão ali a deixarem-se deslumbrar por uma paisagem absolutamente maravilhosa, com uma vista privilegiada sobre a cidade.

Foi espetacular. Agradeço não só a todos os que vieram correr comigo, mas também a todas as pessoas com as quais me cruzei. Pela simpatia, pelo amor, pelo carinho que passaram, porque passavamos por toda a gente e todos nos olhavam com um sorriso ou cumprimentavam. E não há nada melhor do que sentir este carinho.

A cidade de Braga vai ficar, claramente, no nosso coração. Esta tour ainda agora começou e já está a ser especial. Ter ido a Braga foi incríBel, porque foi um pretexto para me reencontrar com uma cidade do norte que amo, onde estão minhas raízes e as minhas gentes, e foi também uma oportunidade que tive de conhecer de perto três pessoas que partilham da mesma paixão que eu: a da corrida.

Obrigada a todos, estão no meu coração, e vou voltar, de certeza, e em breve, a Braga, para fazer aquele percurso.

Agora, próxima paragem: Aveiro.

AGRADECIMENTOS

Run4Excellence
Melia Hotel Braga

VÍDEO

Rodolfo Franco