I Am Isabel Silva

Voltar ao Feel Viana é voltar a casa, e este é o roteiro ideal para desligar durante quatro dias

Andei de bicicleta, fiz surf e uma massagem desportiva e, acima de tudo, descansei. Porque todos nós precisamos de desligar, mesmo que seja só por uns dias.

Esta foi a quarta vez que estive no Feel Viana. Já falei sobre a relação que tenho com este hotel, até porque foi aqui que estive na véspera das minhas duas últimas maratonas. Foi no Feel Viana que descobri o ritmo a que ia correr a Maratona de Nova Iorque, e foi aqui que conheci aquele que é hoje o meu treinador de corridas, o Paulo Colaço.

Desta vez, regressei no verão e fora do estágio de preparação para maratonas. Sem foco desportivo, mas mantendo o mesmo de sempre: cuidar da minha energia que, por vezes, parece que vai desaparecer e nunca mais voltar. Mas isso não é verdade. Basta parar para nos escutarmos e descobrir o que falta para voltarmos a ter equilíbrio.

Não era tanto o meu corpo que estava cansado, mas sim a cabeça, que estava a precisar de desligar da rotina do dia a dia em Lisboa. Adoro e preciso desta rotina, mas nunca podemos esquecer a importância das lufadas de ar fresco.

E este ar do Norte é aquele balão de oxigénio de que preciso quando a energia começa a quebrar. Porquê? Porque ir ao Norte é muito mais do que fazer os 300 quilómetros que separam Lisboa de Viana do Castelo. A saber:

Ir ao Norte é ver o pai, a mãe e os avós;

Ir ao Norte é ver a vila onde nasci;

Ir ao Norte é cheirar a maresia da praia de Espinho e de Miramar;

Ir ao Norte é correr e passar pelo Senhor da Pedra;

Ir ao Norte é ouvir a minha mãe a falar de flores;

Ir ao Norte é conviver com a malta do Norte;

Ir ao Norte é fazer desporto e comer bem, mas no Norte.

Eu preciso de ir ao Norte para ganhar norte, entendem? E hoje, com 34 anos sei que tudo isto tem de fazer mais parte das minhas rotinas.

Ora, decidi juntar tudo isto e passei quatro dias naquela que é uma das cidades mais bonitas do mundo: Viana do Castelo.

Não tenho propriamente família nesta cidade, nem tão pouco passei a minha infância e adolescência aqui mas, não sei bem porquê, desde o primeiro dia que cá vim que percebi que aqui eu sou sempre feliz. E percebi isso da primeira vez que passei uns dias no Feel Viana.

E o que é que fiz durante estes quatro dias nesta cidade e neste hotel? Deixo-vos algumas das minhas escolhas, assim como outras atividades que, se quiserem, também podem fazer no Feel Viana. Ah, e não precisam de estar hospedados no hotel. Basta marcarem e aparecerem.

As minhas escolhas para quatro dias no Feel Viana

Costuma dizer-se que, quem gosta vem e quem ama fica. Eu já sou daquelas que fica. Gosto do aragem fresca cá de cima, da proximidade à serra e ao mar. Gosto de tomar banho nas águas geladas do Cabedelo — que fica mesmo em frente ao Feel Viana — e de dar uma volta de bicicleta até ao Santuário de Santa Luzia. Lá de cima, gosto de ver o esplendor do rio Lima e apreciar o amantes de wind surf — aquelas meias luas no ar que mais parecem gaivotas. 

Sempre que olho, acredito que um dia me vou aventurar na modalidade. Pode ser que o Zé Sampaio do Feel Viana me consiga convencer. Sou medricas com o mar, confesso, mas não é por isso que deixo de estar à beira dele. Gosto de apreciar o Sr. Gonçalves a tirar fotografias aos turistas e vianenses com a sua máquina de 1910. E encanta-me ainda mais vê-lo a revelar, na hora, aquelas que serão as fotografias mais especiais de sempre da vida daquelas pessoas. Tenho esta chapa. Está colada no meu frigorifico.

De bicicleta elétrica ate Santa Luzia 

Mesmo sem ter grandes planos, há coisas que eu ja sabia que queria fazer nestes dias que passei em Viana: coisas que me fazem descomplicar. O sacana do stresse tem esse poder de, muitas vezes, nos deixar alienados e pouco seletivos com as nossas prioridades. Tem esse poder de nos fazer ver que tudo é prioritário e que temos de fazer tudo ao mesmo tempo.E eu tenho de ser mais forte do que ele. Ser mais forte é descomplicar e viver simples. Só assim entendo, de novo, aquilo que realmente importa: as pessoas e a natureza. 

Esta fotografia mostra tudo isso. Já manda a tradição dar sempre uma volta de bicicleta elétrica no centro da cidade, e uma das paragens obrigatórias é o Monte de Santa Luzia. Alugámos as bicicletas no Sports Center e lá fomos, eu, a Marta, a Sofia e a minha nova amiga Mari. Conhecemo-nos no hotel. Uma entusiasta pelo desporto ao ar livre e, sobretudo, pela vida.

No retorno cumpri uma promessa. Fui visitar a Conceição, a proprietária de uma das lojas de bordados de Viana mais conhecida da cidade, Os Bordados da Sandra. Ela não queria acredita quando me viu. “Estivemos juntas em Viana quando apresentei o Somos Portugal. Prometi-lhe vir cá visita-la. Vim ou não vim?!”, disse-lhe.

Aproveitei e comprei duas canecas e uma algibeira de Viana. Não comprei a filigrana, mas devo confessar-vos que este investimento dá-me “ganas” de exibir toda a minha chieira. Os vianenses entendem o que digo. 

Deixo-vos esta sugestão. Uma volta de bicicleta elétrica é uma lufada de ar fresco no vosso dia. E não precisam de ser hospedes do hotel. Podem simplesmente ir e alugar uma bicicleta. 

As tours, tanto de estrada como de montanha, custam 30€ por pessoa para duas horas, 50€ para três horas. Podem fazer as marcações enviando um e-mail para [email protected] ou ligando para o 258 249 841.

De bicicleta até Caminha

Outro dos percursos que sabia que queria fazer. A primeira vez que peguei numa bicicleta de estrada foi aqui, quando fui até Caminha e voltei. Foram cerca de 70 quilómetros junto ao mar com muita “ventosga” pelo caminho. Mas não faz mal. Um atleta vê sempre como um desafio. 

Adorei passar por Vila Praia de Ancora e parar no Café Central de Caminha para beber um café, com xiripiti: uma gotinha de medronho no cimbalino (ou bica, como se diz em Lisboa), aquece a garganta e a alma. É o boost perfeito para regressar ao mais alto nível. 

Foi uma experiência muito bonita, de tal forma que decidi repetir. Eu, a Marta e a Mari fomos na companhia do nosso guia, o Ricardo do Sports Center do Feel Viana. Desta vez fomos pela serra e voltamos junto ao mar.

Para os menos experientes, podem sempre alugar uma bicicleta elétrica e fazem o percurso tranquilamente. 

Eu levei a minha de estrada. Que saudades que tinha de montar uma destas, e que saudades já tinha de sentir aquele apetite depois de três horas de exercício físico. 

Uma aula de surf no Cabedelo

Fui a pé do hotel para a praia e, desta vez, quis fazer surf. Não deixo de ser uma surfista de banheira, mas ainda me recordo das primeiras aulas que tive na Costa da Caparica há dois anos. E há coisas que não se esquecem. 

Nessa altura perdi o receio de me aventurar na crista da onda. Andava muito entusiasmada, sobretudo porque estava a evoluir a cada aula que passava. Acabei por deixar para segundo plano porque, pelo meio, entrou uma preparação de maratona. Como em tudo nesta vida, não podemos querer fazer tudo ao mesmo tempo. Mas recordo-me bem da sensação de bem estar que tinha naqueles momentos. Por isso mesmo, agora que voltei ao Feel Viana, fiz umas aulas de surf para voltar a recordar aquelas sensações de frescura e adrenalina que os desportos de água nos dão. 

Se queria fazer Kite, Wind e Padel também? Queria. Mas para isso teria de ficar mais umas quantas semanas. 

Qualquer pessoa pode marcar uma aula de surf no Feel Viana, não precisam de estar alojados no hotel. As aulas de grupo de uma hora e meia, para no máximo oito pessoas, ficam a 30€ a cada um. Se optarem por uma aula privada de uma hora custa 60€. Podem saber tudo no site do Feel Viana.

Fazer uma massagem desportiva

Queria muito fazer uma massagem desportiva com a Rita. A Rita tem sensibilidade, tem a força certa e o conhecimento perfeito para me dar uma massagem desportiva e relaxante. 

Se por um lado não vivo sem o meu rico Urbano em Lisboa, em Viana só quero que seja a Rita a fazer-me a massagem desportiva. Por coincidência, no dia em que aqui estive, tinha uma contratura chata no tibial posterior. E ela não desistiu, com a sua serenidade, enquanto ela não foi esmagada. Fiquei dorida no próprio dia, mas hoje estou como nova. 

Podia ter feito outras massagens no spa? Podia, mas haverá coisa melhor do que repetir aquilo de que temos saudades e que sabemos que nos vai fazer bem?

Explorar a esplanada e a piscina

Daquelas coisas que nunca fiz. As outras vezes que cá estive foi sempre no Inverno e aproveitei outros encantos. No Verão, temos outros para explorar. 

A esplanada do Feel Viana tem ligação à piscina e vista para o mar e floresta. Foi aqui que decidi passar parte das minhas tardes. Ainda por cima sempre com companhia das minhas plantas favoritas, porque o hotel está cheio de Espadas de São Jorge. Dizem que dá sorte. Verdade ou não, elas dão outro sentido ao espaço e à nossa energia.

Experimentei a nova ementa do restaurante. Chama-se DoVento. Todos os dias comia uma sopa de legumes, bebia uma limonada de hortelã e comia uma Bowl ou um prato vegetariano. Há opções para todos, e em boa verdade o propósito está lá: ingredientes fresco e sazonais cozinhados com carinho pelas gentes do Norte. Podem conhecer melhor o restaurante no site do Feel Viana.

Fazer corridas Matinais e circuitos no ginásio

As minhas corridas matinais eram apenas o pretexto para ir ao centro da cidade e passar pela praia do Norte. Uma praia linda com um passeio bem desafogado para caminhadas e corridas. Saio do Hotel, vou ao centro e termino no Cabedelo, uma praia mais pequena junto ao hotel. É ali que mergulho e contemplo, uma vez mais o Santuário de Santa Luzia. 

Treinos funcionais ou alongamentos são sempre no ginásio. E o Feel Viana tem um sonho de ginásio: no tamanho certo e com tudo o que precisamos. É seguramente o ginásio de hotel com melhores condições de todos onde jé estive. Dificilmente um atleta não encontra o que precisa. Até treinos de eletroestimulação tem, caso queiram. 

Sabem, o segredo para tudo isto ser perfeito é escolher sempre a melhor das companhias. Ou simplesmente a vossa ou aqueles que acrescentam valor nas vossas vidas.

Estive aqui estes dias com a Marta. A mesma que esteve comigo na minha viagem a Estocolmo. Aproveitamos estes dias para colocar a conversa em dia, desacelerar e partilhar. 

Deixo-vos aqui outras sugestões de atividades que já fiz no Feel Viana e de outras coisas que podem fazer caso queiram ir desligar uns dias e aproveitar os ares do Norte. 

Experimentar desportos aquáticos no Wake Park

Foi uma das novidades dos últimos anos do Feel Viana e fica na margem esquerda do rio Lima. Lá, é possível fazer várias atividades aquáticas como Cable Wakeboard, andar num barco Nautique G23, experimentar stand up paddle ou até inscrever uns miúdos numas aulas de windsurf. 

Qualquer pessoa se pode inscrever numa destas atividades, mesmo ue não esteja hospedado no hotel. Para mais informações consulte o site do Feel Viana, e para marcações basta enviar um e-mail para [email protected] ou ligar para o 924 091 603. 

Fazer uma aula de grupo

Além do ginásio onde pode fazer um circuito de treino, o Feel Viana tem disponíveis aulas de grupo em que pode participar dentro dos horários estipulados pelo hotel. Há treinos de Ioga, Pilates ou até mesmo de circuitos funcionais, sempre acompanhados por um professor especialista na área. 

Cada aula dura cerca de uma hora e deve ser marcada antecipadamente. Não precisa de levar qualquer material, a não ser os ténis e a roupa de desporto. Os horários e preços de cada aula estão disponíveis no site do Feel Viana.

Faça uma massagem

Relaxar e massagens são praticamente sinónimos, e o que não falta no Welness Center do Feel Viana são massagens para experimentar e desligar completamente durante uns minutos. Além da massagem desportiva, há massagens localizadas, com pindas, pedras quentes, com pedras quentes e algas, massagens zen e até mesmo a Tranqulidade, para conseguir mesmo relaxar.

As reservas de cada massagem devem ser feitas com pelo menos 24 horas e todas as informações estão disponíveis no site do hotel.