Hoje é o Dia do Cão e estas são as rotinas do meu Caju

Se me acompanhas pelas redes, gostas de acompanhar a minha rotina DoBem. Mas hoje, quis partilhar a do meu Caju.
Eu, Isabel Eu, Isabel
Leia este artigo em: 5 mins
26.08.2019
cão

Caso ainda houvesse dúvidas, fica aqui já esclarecido: o Caju é muito mais do que um cão. Desde que ele entrou na minha vida, e já lá vão mais de três anos, é como se fosse o filho que não tenho. Sempre disse que adorava ser mãe, e enquanto a vida não me dá um filho, tenho o meu Caju.

Fazemos quase tudo juntos e ele está presente em alguns dos momentos mais importantes da minha vida. É parte de mim, tanto é que o meu blog nunca existiria se não tivesse uma parte dedicada só a ele.

A verdade é esta: o moço já me deu muitas alegrias. Já me deu chatices, como qualquer cão dá, e sustos — ainda há dias andava a ver que tinha de ir com ele ao veterinário porque lhe apareceu qualquer coisa estranha num olho —, mas são mais os momentos em que somos felizes juntos. Ele dá-me amor, carinho e atenção sempre que chego a casa. É uma felicidade que só vista, porque contada ninguém acredita. E eu? Como mãe, só posso retribuir dando-lhe tudo o que ele precisa.

É por isto que o Caju é mais do que um cão para mim. Ele é uma pessoa, só lhe falta mesmo falar. E a verdade é que ele tem uma rotina, tal como a mãe. Ora vejam lá as rotinas matinais deste moço.

7h00

Esta não é uma hora certa, porque depende muito da hora em que eu tiver de acordar, mas assim que despertamos a primeira coisa que o Caju faz é espreguiçar-se. Sim, ele espreguiça-se mesmo, malta. Mete as patas no meu peito e estica-se todo.

Depois deste momento relaxante, ele acompanha-me até à casa de banho. Enquanto faço xixi ele fica ali, a olhar para mim. Não sei muito bem o que lhe passa pela cabeça neste momento, mas todos os dias lá está ele. Segue-se uma corrida até à cozinha, onde está a caminha dele — onde ele nunca dorme, porque fica sempre comigo — onde o Caju se senta e espera que chegue, para aquele que acredito que seja um dos melhores momentos do dia dele.

7h05

Hora do pequeno-almoço, para mim e para o Caju. Já vos expliquei aqui que o Caju come BARF, uma comida que é preparada para ele todas as semanas e que vou buscar, sempre à quarta-feira à Dogs Wish. Ele come 300 gramas por dia, por isso, de manhã dou-lhe sempre metade. Pelo meio, claro está ele vai ratando das marmitas que estou a preparar. Pedacinhos de beterraba ou de banana são uma perdição para ele.

07h20

Estamos prontos para sair e dar o primeiro passeio do dia. O Caju vai sempre passear de manhã e à noite, e por agora é o suficiente. E ele já sabe que vai à rua mal acabe de comer. Mas malta, até nas rotinas de ir à rua este moço tem uma maneira especial de ser.

É que o Caju não é daqueles cães que chegam, fazem e vão-se embora. Não, ele tem de cheirar. Cheirar muito e perceber qual é o sítio certo para fazer o seu peeps e cocó. É que nunca é no mesmo sítio, ele não deita tudo no primeiro cantinho. Vai deitando. Quando chega a hora de fazer cocó, aí sim, é tudo de uma vez. Mas atenção, que tem de ser num sítio mais escondido, se não, ele distrai-se logo.

07h45

Voltamos do passeio, que pode ser até bem mais longo do que os habituais 20 ou 25 minutos que passamos na rua, e uma coisa é certa: este moço já não tem a pedalada que tinha. É que o Caju já vai fazer quatro anos, e ele não aguenta estas andanças. Fica cansado, sabem?

Então o que é que ele faz quando chega a casa? Vai direito à caminha dele e dorme. Fica ali, descansado da vida e refastelado, a descansar. Nestes dias de calor, então, é o melhor que lhe podem dar, os pugs não se dão muito bem com o calor.

E pronto, malta. É esta a rotina matinal do meu Caju. Depois disto, há sempre uma série de coisas a acontecer na vida dele, que este moço é como a mãe, não é capaz de estar quieto. Às terças e sextas de manhã há sempre correrias no Cão Nosso.

Já vos falei aqui no blog deste projeto incríBel, onde o Caju fez alguns dos seus melhores amigos e onde, inclusive, celebramos o aniversário dele — espreitem aqui o vídeo. Não há nada melhor para um cão que passa a maior parte do tempo num apartamento do que darem-lhe espaço para correr e brincar com outros animais. E sabem que mais? Os melhores amigos do Caju têm mais do dobro do tamanho dele.

Além do Cão Nosso, o Caju tem sempre a companhia da Andrea, a minha empregada, às segundas, quartas e sextas-feiras à tarde. Ela farta-se de conversar com ele e de brincar, o que é ótimo para mim, porque sinto que ele não passa muito tempo sozinho, percebem?

Como também gosto de passar tempo de qualidade com o Caju, todas as semanas vamos jantar fora. Felizmente, já conheço alguns restaurantes onde sei que posso levar o meu moço comigo e onde ele será sempre bem-vindo — espreitem aqui a lista dos meus favoritos — e é sempre ótimo para os dois. É engraçado, porque ainda há uns dias estava com ele a jantar e as pessoas vinham diretas e diziam “olha o Caju!”, e queriam logo dar-lhes festinhas. Às vezes até sinto que ele é mais conhecido do que a mãe.

Mimado como este cão é, não podiam deixar de faltar os momentos de lambarice. Se a mãe tem, ele também pode, por isso, uma vez por semana come um doce da Rossi Pets Bakery, que fez o bolo do 3.º aniversário do Caju e que tem doces do bem para os cães. É tudo feito à base de ingredientes naturais, e sempre sem açúcar, claro.

Como não podia deixar de ser, e porque eu gosto que o moço ande sempre bem, de 15 em 15 dias o Caju vai tomar um banho à Dogs Wish. O Bruno e a Catarina já são como família, e eles também têm uma pug, a Maria, de quem o Caju gosta muito. Nos outros dias, não sai de casa sem ser borrifado com perfume para cão.

E é assim a nossa vida. Confesso que muitas vezes gostava que o Caju estivesse mais tempo comigo, mas é assim malta, não dá para tudo. Mas também vos garanto, o meu baby está sempre ao meu lado, nos momentos que realmente importam, ele está lá. E é assim mesmo que tem de ser.

Eu, Isabel

A Isabel nasceu a 8 de maio de 1986 e é natural de Santa Maria de Lamas. Licenciou-se em Ciências da Comunicação, pela Universidade Nova de Lisboa, e fez uma pós-graduação em Cinema e Televisão pela Universidade Católica. Fez um curso de Rádio e Televisão no Cenjor e foi o seu trabalho como jornalista e produtora de conteúdos na Panavídeo que a levou para a televisão, em 2011. Durante 10 anos apresentou programas de entretenimento e, de forma intuitiva e natural, percebeu que aquilo que a move é a criação de conteúdos que inspirem, motivem e levem os outros a agir. Tem uma paixão enorme por comunicar e tudo o que comunica está intimamente ligado a uma vida natural carregada de energia, alegria e simplicidade.

É autora dos livros “O Meu Plano do Bem”, “A Comida que me Faz Brilhar”, “Eu sei como ser Feliz” e da coleção de livros infantis “Vamos fazer o Bem”.

Descobriu a paixão pela corrida em 2015, em particular pela distância da Maratona – 42.195m. Tem o desejo de completar a “World Marathon Majors” que inclui as 6 maiores Maratonas do Mundo. Já correu Londres, Boston, Nova Iorque e Berlim.

Esta vontade de gerar um impacto positivo nos outros levou-a a criar novas áreas de negócio, como um ginásio de eletroestimulação – o Efit Isabel Silva – uma marca de snacks saudáveis e a VOA.

A 14 de Dezembro de 2016 lançou o blogue Iam Isabel e que hoje, numa versão mais madura, mas igualmente alegre e enérgica, é o canal DoBem.