turistas

Sustentabilidade

Sem turistas, as Dunas de Maspalomas recuperam aspeto original de há 50 anos

São património natural espanhol e estavam em degradação rápida devido às visitas excessivas dos turistas. Com a pandemia, as dunas voltaram a estar intactas.

Desde que a pandemia causada pelo novo coronavírus tomou o mundo de assalto, e obrigou milhares de pessoas a isolarem-se em casa, o planeta e o ambiente tem atravessado uma fase mais positiva, com os níveis de poluição no ar a diminuírem drasticamente, bem como a poluição nas águas. Em Veneza, a falta de turistas fez com que os canais ficassem cristalinos, em vários locais do mundo, animais selvagens invadiram cidades que não visitavam há décadas, o ar melhorou em quase todo o mundo.

Agora, um monumento natural espanhol junta-se à lista: as dunas de Maspalomas, um dos principais chamarizes de Gran Canaria, voltaram a recuperar o aspeto original que tinham há 50 anos, depois de meses sem serem visitadas e sem pessoas a pisar as dunas diariamente. Sem turistas, a zona, que já é considerada reserva natural especial, voltou a estar intacta.

Depois deste novo desenvolvimento, os ambientalistas espanhóis já avisaram que a zona pode permanecer interdita a turistas, dado que antes da pandemia, já existiam muitas preocupações com a rápida deterioração das dunas, causada pela constante presença humana. De acordo com o “El Mundo”, caso nada tivesse acontecido, este conjunto de dunas móveis estava prestes a desaparecer.

No entanto, resta saber como as autoridades espanholas vão continuar a proteger as dunas de Maspalomas, dado que esta é uma das zonas mais visitadas e fotografadas da região. As dunas móveis estão localizadas no sul da Gran Canaria, que ficou em terceiro lugar como o município mais visitado por turistas em 2019, apenas atrás de Madrid e Barcelona.