higiene oral

Saúde

10 coisas que provavelmente não sabia sobre higiene oral mas devia — pela saúde dos seus dentes

Sabia que não deve lavar os dentes logo após as refeições nem beber chá depois de os lavar? Duas especialistas desmistificam a saúde oral.

Se à mesa não começa a comer sem que todos estejam servidos, não se serve com os mesmos talheres com que come e só se levanta quando todos terminam a refeição, porque é que no que diz respeito à higiene oral não respeita também as regras de etiqueta? Provavelmente, porque há coisa que talvez ainda não saiba quais são aquelas que não pode mesmo quebrar.

Há dez regras que são essenciais para as boas maneiras de quem quer ter dentes brancos, brilhantes e que evitem idas ao consultório de uma médica dentista ou higienista oral. Ainda assim, pelo menos de seis em seis meses deve marcar uma consulta, de acordo com Raquel Simões, higienista oral na Malo Clinic. A especialista explica que este “é o tempo ideal para a manutenção da cavidade oral, de forma a prevenir precocemente problemas gengivais, lesões de cáries dentária, bem como despiste de cancro oral”.

Uma das regras essenciais e que nunca devem ser esquecidas numa boa higiene oral é dar menos valor ao óleo de coco, e mais técnica 2 X 2 X 2. Nunca ouviu falar? É simples. Consiste em lavar os dentes, pelo menos, duas vezes por dia, durante dois minutos em cada escovagem, e passar duas horas sem comer após lavar os dentes, segundo aconselha a médica dentista Ana Sofia Lopes, da Malo Dental.

Estes são apenas alguns exemplos do que pode fazer pelos seus dentes, mas há muitas mais dicas e mitos que as especialistas Raquel Simões e Ana Sofia Lopes ajudaram a desvendar.

1. Óleo de coco no prato, cabelo e pele. E nos dentes?

Motivados pela ideia de que “mal também não faz”, da mesma forma que muitas pessoas adotaram o hábito de beber água com limão em jejum — tendo já sido desmistificado que tal não emagrece, apenas pode ajudar na digestão e a fortalecer sistema imunitário —, outras decidiram adotar como prática diária bochechar a boca com óleo de coco. Mas será mesmo eficaz no branqueamento dentário e nos benefícios para a higiene oral como se pensa?

“As qualidades do óleo de coco são cada vez mais reconhecidas na alimentação enquanto substituto de óleos e gorduras saturadas, hidratante para a pele e cabelos, entre outros. No entanto, o seu uso como agente branqueador do esmalte dos dentes na cavidade oral não está comprovado cientificamente”, refere a médica dentista Ana Sofia Lopes à dobem.

Isto significa que nada impede que faça este procedimento, mas é na cadeira do consultório que a magia acontece. “Na nossa prática clínica, são utilizadas diversas técnicas e concentrações de agentes clareadores dentários”, explica Ana Sofia Lopes, acrescentando que os tratamentos são feitos à base de peróxido de hidrogénio.

2. Ainda sobre modas: as pastas de dentes de carvão ativado são eficazes na higiene oral?

Estéticas não são de certeza, uma vez que escovar os dentes com uma pasta de carvão ativado é o equivalente a parecer que todos os dentes apodreceram. Mas será que promove uma melhor saúde oral?

“Não. A pasta de dentes de carvão ativado é uma pasta branqueadora, sendo um produto abrasivo. Estas pastas removem apenas as manchas superficiais, como café e tabaco, mas não alteram a cor do dente”, explica a higienista Raquel Simões. No entanto, ao contrário do que acontece com o óleo de coco em que “mal não faz”, no que diz respeito às pastas de dentes de carvão ativado pode haver consequências.

“O uso diário destas pastas pode levar ao desgaste do esmalte dentário e, consequentemente, causar o recuo das gengivas e provocar sensibilidade dentária”, diz a higienista oral. “Normalmente, aconselho o uso destas pastas no máximo duas vezes por semana, conciliando sempre com uma pasta dentífrica com flúor”, acrescenta.

3. A maçã é mesmo uma “escova de dentes natural”?

Se nunca ouviu falar desta ideia, passamos a explicar: há quem defenda que comer uma maçã após as refeições é a solução ideal para limpar os dentes quando está fora de casa ou não teve tempo para os lavar antes de ir para a rua. Mito ou verdade?

“As maçãs são muito ricas em vitaminas e, à semelhança das cenouras e de outros vegetais e frutos mais rígidos, também ajudam a ‘limpar’ os dentes depois de uma refeição e, principalmente, estimulam a produção de saliva, que é um importante fator para a prevenção do processo de desmineralização dos dentes”, explica a médica dentista Ana Sofia Lopes, acrescentando aqui um outro fator determinante para a saúde oral: a saliva.

É que esta é responsável pela prevenção de cáries, uma vez que é rica em lactoferrina, estaterina e mucinas, que juntas não só têm capacidade antimicrobiana, como ajudam no transporte de cálcio.

De volta às frutas, e visto que é verdade que as maçãs funcionam como “escova de dentes natural”, a médica dentista adianta que as peras têm a mesma função. Contudo, apesar de ser óbvio, nunca é demais reforçar: nada substitui “a escova e a pasta de dentes”, diz Ana Sofia Lopes.

4. Técnica 2 X 2 X 2

Chegámos ao ponto chave da boa higiene oral: 2 X 2 X 2. Parece uma conta de matemática de primeiro ciclo, mas é apenas o truque para manter os dentes saudáveis. Como já vimos, basta lavar os dentes duas vezes ao dia, durante dois minutos e não comer nas duas horas seguintes à escovagem, mas há mais que pode fazer pelos seus dentes.

A escova é um dos principais auxiliares da saúde oral, por isso mesmo, deve ser mudada a cada três meses e existe mesmo uma lengalenga para não se esquecer. “Nova estação, nova escova na mão. No Outono, no Inverno, na Primavera e no Verão”, brinca a médica dentista.

O que também não deve esquecer é o fio dentário (e não dental) “todos os dias (pelo menos à noite, antes da escovarem) e o escovilhão, se assim indicado pelo seu médico dentista”, recomenda.

5. Lavar os dentes antes do pequeno-almoço: sim ou não?

A resposta mais assertiva é: não necessariamente. Acima de tudo, “a escovagem deve ser feita sempre após as refeições”, refere Raquel Simões, que mais à frente aprofunda esta regra de etiqueta.

No entanto, no que diz respeito a este ponto, a higienista esclarece que “devido à atividade bacteriana noturna, algumas pessoas sentem maior conforto em escovar os dentes logo após acordar e não há qualquer problema se o fizerem”, explica, acrescentando que isto só será válido desde que repitam a escovagem após o pequeno-almoço.

Da mesma forma, não há problema em seguir diretamente da cama para o pequeno-almoço, mesmo sabendo que as bactérias acumuladas durante a noite acabam por ser ingeridas. A razão? “Vão juntamente com os alimentos para o estômago, onde os sucos gástricos destroem todas as bactérias patológicas”, afirma a higienista oral.

6. Não lave os dentes logo após as refeições

Uma aposta em como sempre achou que lavar os dentes logo após as refeições era a melhor forma de evitar placa bacteriana e cáries? Ora, segundo a higienista Raquel Simões, não é bem assim.

“Sempre que possível, é recomendado esperar 30 minutos após as refeições para escovar os dentes”, diz. Não deixa de ser curioso, mas há uma razão para isso. “Quando comemos, o pH da nossa cavidade oral sofre alterações e torna-se mais ácido. É necessário dar tempo à saliva para aumentar o pH, de forma a evitar problemas como a erosão ácida”, explica a higienista, reforçando mais uma vez o papel da saliva na higiene oral.

7. E lavar os dentes logo depois de beber café?

“Com esta não me enganam”, está a pensar desse lado. A verdade é que, tal como no ponto acima, com o café a regra é a mesma.

“No caso do café, aplica-se a mesma recomendação de esperar 30 minutos, de forma a neutralizar o pH da cavidade oral”, diz Raquel Simões.

Contudo, de modo a “diminuir a aderência da pigmentação (manchas) aos dentes é aconselhável beber água, após o consumo de café”, diz a especialista. Ou, como já vimos, comer uma maçã para ajudar na limpeza dos dentes e a evitar as manchas.

8. O chá interfere com o momento de escovagem dos dentes?

É frequente haver pessoas que têm o hábito de beber chá antes de ir para a cama, contudo, muitas vezes esta bebida de conforto vem já depois de termos lavado os dentes e pensamos que não há problema nisso. É que, afinal, chá é só água não é verdade? Pois, não é mesmo verdade.

“O chá, mesmo que sem adição de açúcar, irá provocar manchas dentárias, sendo necessário fazer a escovagem após o seu consumo”, afirma a higienista.

Assim, tem duas hipóteses: ou escova os dentes antes e após a caneca de chá ou poupa na pasta e escova só depois da bebida.

9. O cálcio é fundamental para os dentes

Costuma dizer-se “filhos criados, trabalhos dobrados” e o mesmo acontece na higiene oral: “dentes criados, trabalhos dobrados”. Isto porque os bons hábitos de saúde oral devem começar a ser incutidos mal os dentes das crianças se desenvolvam, de modo a evitar a formação de cáries dentárias — o maior problema dentário nos infantários.

Além disso, garantir a ingestão suficiente de cálcio é outro dos fatores de peso para uma boa saúde oral.

Para crianças dos 7 aos 10 anos, a quantidade recomendada de cálcio é de 700 miligramas e para os adultos o ideal são mil miligramas diárias. Para isso, deve colocar no prato alimentos como vegetais verde escuros (brócolos, espinafre, agrião), cereais integrais, peixes (salmão, bacalhau, sardinha), soja, leite e derivados.

10. A causa das suas dores de cabeça pode estar nos dentes

Alguma vez ouviu falar em bruxismo? É o “hábito de pressionar e ranger os dentes”, refere Ana Sofia Lopes, acrescentando que ocorre especialmente durante o sono e pode ser um ato silencioso ou não. O que é facto é que o chamado bruxismo “pode levar a disfunções da articulação temporomandibular e causar dores de cabeça”, afirma a médica dentista.

Quando isto acontece, deve ser procurado um médico dentista para determinar a causa do problema e o mesmo pode “recomendar o uso de uma goteira para evitar a pressão ou o ranger de dentes durante o sono”, afirma Ana Sofia Lopes. O tratamento pode ainda passar “pela sugestão de formas de reduzir o stresse e ansiedade e, portanto, o nível de bruxismo”, acrescenta.

Em casos mais severos de bruxismo, pode mesmo ser necessário recorrer a medicação — recomendada ou prescrita pelo médico dentista —, de modo a que consiga relaxar e dormir melhor.