cérebro

Saúde

A estação do ano pode influenciar o tamanho do cérebro? A ciência diz que sim

Um estudo analisou milhares de ressonâncias magnéticas e identificou pequenas alterações no volume cerebral consoante a estação do ano. Fenómeno já foi provado em animais.

Um novo estudo, realizado por investigadores ingleses, veio demonstrar como o clima e a estação do ano influenciam o tamanho do cérebro. Publicada em julho, a investigação comparou mais de três mil exames de ressonância magnética e encontrou diferenças pequenas, mas distintas.

“No fundo, num dia de tempestade ou no inverno, o cérebro é maior do que o normal”, diz o investigador Gregory Book, do Olin Neuropsychiatry Research Center, citado pelo jornal inglês “The Guardian“. “No verão, acontece o contrário.”

Entre muitas outras funções, o cérebro regula o movimento voluntário, assim como o equilibrio e a coordenação. Até à data, as diminuições no volume deste órgão eram atribuídas à hidratação, mas a realidade é que a causa pode estar relacionada, antes, com a pressão de ar.

A relação entre as mudanças de estação e as diferenças no volume cerebral já havia sido bem estabelecido noutros animais. O cérebro de um musaranho-comum — animal que faz parte da família de pequenos mamíferos Soricidae — encolhe significativamente no inverno, sendo que, por esse motivo, parece perder algumas das suas habilidades. Esta alteração pode esta relacionada com questões evolutivas.

Quanto às pessoas, apesar de a investigação ainda estar em fase muito embrionária, pode apontar na direcção de consequências sazonais no cérebro.

“Embora o efeito médio observado seja pequeno, isso pode significar que algumas pessoas são mais suscetíveis à exacerbação dos sintomas de certos distúrbios do clima ou da estação”, diz Gregory Book.

Tanto assim é que existem, até, condições que são conhecidas por agravar no inverno, tais como artrite, esclerose múltipla ou enxaquecas.