correr

Exercício

Grávida de nove meses, esta mulher surpreendeu tudo e todos ao correr quase dois quilómetros em apenas 5 minutos

Tem 28 anos e apostou com o marido como seria capaz de correr, mesmo estando grávida. O vídeo, claro, tornou-se viral no TikTok.

O momento ficou registado em vídeo e não demorou muito para que se tornasse viral. É que Makenna Myler, 28 anos, foi desafiada pelo marido a correr uma milha — cerca de 1,60 quilómetros — em menos de oito minutos. Poderia não ser surpreendente, não estivesse Makenna no nono mês de gestação.

Esta mulher, que durante grande parte da sua adolescência sempre correu de forma competitiva, queria provar que conseguiria correr uma maratona mesmo estando grávida, segundo conta ao jornal “Today”.

“Nenhum de nós fazia ideia do que esperar durante a gravidez. E sempre ouvimos dizer que eu, enquanto grávida, iria acabar por ficar muito cansada à medida que o tempo fosse avançando”, e diz que não queria deixar que isso acontecesse. Foi nesse contexto, explica, que terá acontecido a aposta entre o casal.

“Ao segundo mês da gravidez, o Mike [o seu marido] achava que só em sonhos é que eu seria capaz de correr uma maratona aos nove meses de gravidez. Por isso apostei com ele 100 dólares em como seria capaz de o fazer”, conta. No entanto, reforça que a equipa médica que a acompanhou durante a gravidez esteve sempre a par do que queria fazer e nunca se mostraram contra.

Ainda que o feito tenha surpreendido a família de Myler, mais surpreendidos ficaram os seus seguidores no TikTok que fizeram por partilhar em massa o vídeo do momento.

No entanto, a atleta diz que embora tenha sido capaz de completar a maratona, sentiu impacto na performance devido à gravidez. “O peso extra teve impacto na corrida, claro. As primeiras voltas foram relativamente tranquilas, mas a partir daí a minha forma de correr assemelhou-se à de um pinguim imperador”, explica.

Apesar disso, Myler espera que o vídeo possa “inspirar mulheres a ir atrás dos seus objetivos, independentemente daquilo que as convenções sociais tenham ou não como certo”.