Alimentação

Ranking. 11 melhores e piores pães de supermercado para ter em casa

Andámos em busca dos piores pães de supermercado e encontrámos listas com mais de 20 ingredientes. Veja como escolher o pão mais saudável.

Numa tosta de abacate ao pequeno-almoço, em forma de açorda ao almoço, com manteiga de amendoim ao lanche e a acompanhar umas ameijoas à bulhão pato ao jantar. Para qualquer altura do dia nós, portugueses, arranjamos um pretexto para comer um pão, ou até vários pães, se a gula for muita. Contudo, o pão não é necessariamente um inimigo, mas sim os seus ingredientes ou a forma como o acompanhamos.

Até há bem pouco tempo, achávamos que só o pão que dizia “integral” ou “com sementes” — muitas vezes apenas a cobrir por fora, mas com farinhas refinadas por dentro — era a opção mais saudável e levávamos do supermercado sem olhar a rótulos. Mas parece que, em alguns casos, um pão branco pode não ser má opção.

“Devemos procurar pães com poucos ingredientes e sem aditivos, mesmo que seja branco, ou podemos sempre fazer em casa”, afirma a nutricionista Ana Isabel Monteiro, mais conhecida como “Laranja Lima Nutrição” no Instagram.

Como nem todas as pessoas aderiram à pãodemia e têm oportunidade (ou tempo) de fazer pão em casa, vamos focar-nos naqueles que existem à venda. E sim, vamos incluir os supermercados, onde também é possível encontrar boas opções.

Para saber como escolher, basta seguir um género de guia, sugerido pela equipa de nutricionistas da página Consultas de Nutrição:

Mas há ainda outro fator a ter em conta: o teor de sal. De acordo com um relatório do divulgado pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge em 2019 a propósito do Plano de Ação de 2013-2020 da Organização Mundial da Saúde (OMS) na área da Alimentação e Nutrição, o pão e subprodutos, bem como o consumo elevado dos mesmos, são um dos principais responsáveis pela ingestão de grandes quantidades de sal.

Assim, de modo a travar o desenvolvimento de casos de Hipertensão Arterial (HT), “um dos maiores riscos de saúde pública em Portugal e aquele que mais contribui para a perda de anos de vida saudáveis”, diz o relatório, foram traçados vários cenários sobre o impacto da redução de sal na alimentação, em especial no pão (18%), sopa (8%), charcutaria e carnes processadas (7%).

“Diferentes cenários simulados evidenciaram uma redução gradual na contribuição do pão para a ingestão média diária de sal de aproximadamente 5%, em 2021”, afirma o documento.

Outros aspetos a ter em conta nos rótulos são as denominações. Pães que se dizem proteicos, low carb ou sem glúten não são sinónimo mais saudáveis e podem até ter muitos mais aditivos do que, por exemplo, um pão branco ao qual ganhámos medo.

E não ficamos por aqui. Há ainda dois segredos sobre comer pão de forma equilibrada: ter atenção à quantidade e aos recheios. Começando pela quantidade, uma porção de pão corresponde entre 50 a 60 gramas ou ao equivalente a uma mão de punho fechado, e se estivermos a falar de uma fatia de broa deverá ter cerca de 70 gramas.

Quanto à forma como recheamos, a nutricionista Inês Panão sugere queijos magros, como queijo fatiado com – 50% de gordura ou requeijão magro, bife grelhado ou salmão fumado acompanhado de vegetais, e opções vegan como manteiga de amendoim e paté de azeitona. Ana Isabel Monteiro acrescenta ainda pasta de abacate e húmus.

Depois de analisar os principais erros cometidos quando colocamos pão à frente dos nossos olhos — em que cantamos e barramos “na manteiga, manteiga, manteiga” ou perdemos vista ao número de fatias — eis o veredito final.

Veja os pães que deve comprar, segundo a nutricionista Ana Isabel Monteiro. Mostramos ainda quais é que deve evitar.