hobi

Alimentação

HOBI. As manteigas de frutos secos caseiras e patés vegan que revertem para uma associação humanitária

Depois de um ano e meio no norte de França enquanto voluntária numa associação que apoia refugiados, Inês Coutinho inspirou-se em algumas das pessoas que conheceu e nas suas origens para criar algumas destas receitas.

Ajudar quem mais precisa é um gesto de bondade, mas nem sempre se sabe por onde começar. Já conhecemos algumas marcas que apostaram em ações solidárias, mas a verdade é que existem várias realidades de vida e muitos de nós — provavelmente — não as conhecemos. Uma delas é a vida de alguns refugiados, algo que nos parece longínquo, mas que está mais perto do que aquilo que pensamos. Foi com isto em mente que nasceu a HOBI: uma marca de manteigas e patés solidários.

Licenciada em Comunicação Social e com raízes em Coimbra, Inês Coutinho, fundadora da marca, esteve cerca de um ano e meio no norte de França, onde foi voluntária na associação “Care4Calais”, uma organização solidária de apoio a refugiados, onde teve a oportunidade de conhecer pessoas de diferentes países e culturas, novas realidades e formas de vida.

Embora, tenha conhecido várias histórias — algumas até bastante chocantes — houve um ponto comum a todos os voluntários e a todos os que recebiam este apoio: comida. Foi precisamente a comida, que unia tantas destas pessoas, que fez com que este negócio começasse, em abril de 2020.

Desta experiência, e da vontade que a fundadora tinha de criar um negócio próprio, surgiu a HOBI, uma marca de manteigas e patés de frutos secos caseiros, solidários e vegan. “Sempre tive imenso gosto pela culinária, pela gastronomia e era também, por isso, que tinha muitas vezes conversas sobre comida com os refugiados. A cozinha e a culinária é algo que liga todas as pessoas e como já fazia manteigas de frutos secos em casa, para mim, para amigos e família surgiu esta ideia de alargar a produção para a cidade de Coimbra, e posteriormente, a nível nacional e europeu”.

Como conta à dobem., ficou a conhecer “o que é que eles comiam no seu país, que ingredientes utilizavam, as especiarias, e foi aí que eu me apercebi que os frutos secos também são muito utilizados nesses países. Aprendi a dizer palavras em árabe, como por exemplo, ‘tremoço’ em árabe diz-se ‘al-turmus’ e foi por aí que surgiu o nome para este produto da HOBI”.

As entregas são feitas para toda a Europa, excepto os patés que ainda não podem ser transportados por questões térmicas. A nível nacional as entregas são feitas entre 24 a 48 horas. Os produtos podem ser encomendados através da página do Instagram ou do site oficial, sendo que 10% dos lucros são doados a uma associação humanitária:  a associação “Mobile Refugee Support”.

O preço é por quilo, para o cliente estar à vontade com a quantidade que encomenda. No entanto, no caso de querer apenas experimentar, a marca é flexível e permite encomendar porções mais pequenas.

Alguns dos produtos já são biológicos, como é o caso das tâmaras, do cacau e do tremoço e têm em vista alargar esta questão dos produtos biológicos para os restantes ingredientes utilizados.

Já a sustentabilidade, também é um dos pilares da marca. É que os produtos são entregues em frascos de vidro e a fundadora reutiliza e lava-os, cumprindo sempre com as necessidades higiénicas exigidas. Neste momento, há uma campanha a decorrer em Coimbra: quando um cliente leva, no mínimo, cinco frascos, recebe de imediato um desconto de dez por cento na compra.

A história do nome “HOBI”

Como a fundadora revela “o termo mais utilizado para chamar alguém seria ‘Habibi’, para o masculino, ou ‘Habibti’, para o feminino. Isto são palavras que, traduzidas para português, significam ‘minha querida’ e ‘meu querido’. Eu decidi apenas escolher HOBI, porque significa ‘meu amor’”, revela Inês à dobem.

As manteigas e os patés:

Os sabores das manteigas e dos patés solidários estão todos disponíveis no site e na página de Instagram e vão desde sabores familiares, como o amendoim, a amêndoa, o cacau e até o tremoço, a especiarias que em Portugal não são tão conhecidas, mas prometem agradar aos mais curiosos. Como é, por exemplo, o caso do Berbere Hummus (7€) que, segundo Inês Coutinho, é uma especiaria picante, muito utilizada na Eritreia e Étiópia.

Como o projeto apoia uma organização humanitária, a fundadora explica que queria introduzir sabores árabes. Refere, por exemplo, o tahini, algo que em Portugal tem vindo a ganhar força, mas que nunca foi muito conhecido. Como tal, fez um produto chamado Al-Spicy (15€) que combina amêndoa, tahini e especiarias. “É algo que as pessoas às vezes ainda perguntam o que é, encomendam normalmente uma pequena quantidade, mas que acabam por gostar”, conta à dobem.

A maior parte dos produtos leva tâmaras, já que não são utilizados quaisquer tipos de açúcares refinados. É com este ingrediente que as manteigas e os patés são adoçados e, ao mesmo tempo engrossados. O sabor das tâmaras é associado, por exemplo, à Nutella, o que traz um certo conforto aos clientes. Uma das opções também mais reconfortantes, é a manteiga Snicks (11€), que leva tâmaras, cacau e amendoim, semelhante ao sabor do Snickers.

“São estes sabores que acabam por ser um cruzamento entre os tradicionais que estamos habituados em Portugal, com os sabores árabes. É que muitas das especiarias utilizadas, e até alguns ingredientes, têm esta origem árabe e aumentam o estigma em relação aos países árabes, mas é de facto algo que todos utilizamos e todos temos em comum, isto da culinária”, acrescenta.

O preço das manteigas de frutos secos varia entre os 8€ e os 16€. Já os patés começam nos 6€ e chegam aos 12,50€ o quilo. Pode conhecer todos os produtos através do site da HOBI.