Alimentação

Cozinha das Emoções. Saiba o que deve comer para nutrir o corpo e controlar a ansiedade

Saiba como evitar emoções negativas e proteger o sistema imunitário através da alimentação com as dicas da chef Daniela Ricardo.

É inevitável que, nestes tempos de incerteza em que não vemos fim ao confinamento ou em que uma simples dor de garganta deixa-nos paranóicos a pensar se podemos, ou não, ter COVID-19, traga também emoções como stresse e ansiedade.

Para fazer frente a estes estados, mais do que introduzir alimentos novos, é importante reduzir o consumo de produtos de origem animal, açúcares simples, café e estimulantes de uma forma geral. Mudar estes hábitos será meio caminho para regular o funcionamento dos órgãos diretamente relacionados com estas emoções.

Quem o diz é Daniela Ricardo, autora do recente livro “Cozinha da Emoções” (P.V.P 18,80€), que fala sobre isso mesmo: cozinhar de acordo com as nossas cinco emoções básicas — alegria, nojo, tristeza, medo e ira — que estão ligadas a várias energias: Árvore, Fogo, Solo, Metal e Água.

“Cozinha da Emoções” (P.V.P 18,80€)

Daniela Ricardo, chef, professora e consultora de alimentação consciente e natural, sugere várias receitas nesse livro, embora este não seja um livro de receitas, mas sim de formas de trazer equilíbrio ao corpo, em particular aos órgãos que são afetados pelas emoções. E é nestas que nos vamos focar.

A especialista em alimentação consciente e natural revelou à dobem. alguns alimentos chave para controlar as emoções nesta fase da nossa vida. Isto porque não é a fome emocional — que muitas vezes nos leva a comer coisas pouco saudáveis, como uma carbonara que apesar de reconfortante, em vez de ajudar só piora o estado emocional — que vai resolver o problema.

Alimentos certos para equilibrar certas emoções é aquilo em que deve apostar. Mas Daniela Ricardo chama à atenção. “Será bom salientar que estes alimentos têm o seu efeito potenciado, quando acompanhados de uma alimentação equilibrada e saudável”.

Se já cumpre este requisito, eis os alimentos que devem fazer parte da sua alimentação, segundo a especialista em alimentação consciente e natural.

Feijões

As leguminosas de uma forma geral, os feijões particularmente, são consideradas alimentos por excelência para os rins pois ajudam a reenergizar e fortalecer estes órgãos, que quando estão desgastados nos deixam mais propensos para o medo e, consequentemente, para a ansiedade (que é “prima” do primeiro).

São uma excelente fonte de vitaminas do complexo B ajudando a evitar cansaço, fadiga, alterações no humor e distúrbios neurológicos causados carência deste nutriente.

Algas

Conhecidas como vegetais do mar, este alimento está cada vez mais presente na mesa dos portugueses. Todas as algas são ótimas para revitalizar os rins, pois segundo a medicina oriental pertencem ao mesmo movimento energético (água).

Destaco alga Kombu que, além do efeito descrito anteriormente, é rica em minerais, oligoelementos e vitaminas (nomeadamente a B12, descrita como apenas existente em produtos animais).

Cenouras

Cenouras em particular, raízes de uma forma mais generalizada, são excelentes para fortalecer os rins. A vitamina A, presente nas cenouras que melhoram a resposta anti-inflamatória do organismo devido ao seu efeito antioxidante.

Além disso, estimula as células de defesa, ajudando a fortalecer o sistema imunológico.

Abóbora ou outros vegetais doces

Possuem a particularidade de ajudar a nivelar os níveis de açúcar no sangue. Uma glicemia equilibrada, leva a emoções mais estáveis.

Empadão de tofu com abóbora hokkaido do livro “Cozinha das Emoções”

Se além de controlar as emoções, quer fortalecer o sistema imunitário para prevenir a longo prazo o aparecimento de possíveis doenças, pode já começar a investir.

As sugestões são da autora da “Cozinha das Emoções”, que “se tivesse que escolher apenas três alimentos para ter em casa para ajudar a fortalecer o sistema imunitário de modo a estar mais protegidos dos vírus”, seriam:

Alimentos fermentados

Por exemplo chucrute, picles de sal, kombucha e até mesmo kefir, são ricos em bactérias benéficas, sendo considerados probióticos.

Estes alimentos ajudam a povoar o trato digestivo com bactérias salutares que potenciam a nossa imunidade.

Alho

Este singelo alimento é algo que todos temos em nossa casa e muitas vezes menosprezamos. Quando usado cru possui propriedades antibióticas e anti-inflamatórias que nos ajudam a debelar infeções.

No início de uma síndrome gripal ou de uma simples amigdalite, costumo colocar um dente de alho esmagado na zona plantar, a absorção dos seus princípios ativos é feita através da pele e irá atuar onde for necessário.

Nabo

Este fantástico alimento tem o poder de ajudar a limpar o fígado, um órgão importantíssimo do nosso organismo, considerado o general do nosso corpo. É importante que ele esteja a funcionar bem para que todas as infeções passem mais rapidamente.